Um CMS multilíngue é suficiente para expansão global eficaz?

Os sistemas de administração de conteúdo avançaram muito, mas ainda podem ser insatisfatórios para grandes projetos multilíngues on-line.

Avatar de Chris Hutchins
Chris Hutchins

03 de fevereiro de 2017

LEITURA DE 5 MIN.

Os sistemas de administração de conteúdo - tanto os modelos SaaS baseados em nuvem quanto os comprados - fizeram grandes avanços na última década. Eles se tornaram, sem dúvida, ferramentas poderosas, idealmente adequadas para gerenciar o website do mercado principal local de uma empresa. Mas esses avanços também anunciaram vários recursos direcionados aos clientes empresariais globais.

Um desses recursos é a gestão de vários sites e vários idiomas. As empresas de CMS geralmente apresentam essa funcionalidade como uma maneira fácil de lançar websites para atender clientes em novos mercados globais. Segundo essas empresas, isso torna o CMS uma ferramenta única para as necessidades de gestão de websites interacionais de um cliente.

Embora essas soluções para vários idiomas do CMS sejam interessantes, geralmente não são tão rápidas, fáceis ou descomplicadas como soam. O idioma é algo complexo. Administrar idiomas e conteúdo em vários sites empresariais pode ser extremamente difícil. Os CMS não conseguem fornecer os recursos robustos realmente necessários para traduzir (e atualizar) eficiente e facilmente websites internacionais grandes e complexos.

Embora tenhamos os CMS em alta conta, veja aqui algumas maneiras pelas quais eles podem deixar a desejar na gestão de vários idiomas.

Falta de recursos e funcionalidade multilíngues

Os CMS populares não foram projetados principalmente para tradução de websites; na verdade, para a maioria desses produtos, a funcionalidade de tradução foi adicionada bem depois de seu lançamento no mercado. Na realidade diária de grandes cargas de trabalho de tradução e atualização, as ferramentas de tradução com CMS podem ser insatisfatórias. Os resultados podem ser inconsistentes, de baixa qualidade e caros.

Na realidade diária de grandes cargas de trabalho de tradução e atualização, as ferramentas de tradução com CMS podem ser insatisfatórias.

Isso se deve ao fato de que esses produtos não têm fluxos de trabalho de tradução avançados, ou seja, sistemas que identificam eficientemente o conteúdo para tradução, enviam esse conteúdo aos tradutores, providenciam traduções rápidas e oferecem processos de revisão editorial de várias etapas. Além disso, têm workbenches de tradução - também conhecidos como ferramentas criadas para garantir traduções precisas e consistentes - menos avançados que os de outras soluções.

Muitas empresas evitam essa funcionalidade anêmica exportando o conteúdo do website do mercado principal (geralmente em inglês) para um arquivo XML, Word ou Excel para tradução. Esse arquivo é então enviado a uma equipe de tradução. O conteúdo é traduzido e mais tarde colocado de volta no CMS multilíngue para publicação em mercados globais.

Infelizmente, esse processo aumenta a probabilidade de traduções imperfeitas. Na tradução de websites, a integridade contextual - a capacidade de ver não só o conteúdo traduzido, mas também o conteúdo ao redor, como imagens, gráficos, especificações e categorias de produtos - é absolutamente essencial para traduções precisas. Sem esse contexto, podem ocorrer muitos erros.

Aparência comprometida

Infelizmente, essa falta de integridade contextual também afeta tradutores que optam por usar ferramentas CMS multilíngues. A maioria dos CMS adota uma abordagem tradicional de tradução de conteúdo on-line. (Por exemplo: uma janela para revisar texto em inglês e uma janela para inserir o texto traduzido). Essa visibilidade limitada resulta rapidamente em desafios no site. Algo que contribui muito para esses problemas é um fenômeno chamado aumento de palavras. Alguns idiomas requerem mais palavras ou caracteres para expressar algo que outros. Isso é comum em tradução, especialmente quando o idioma traduzido é românico. O conteúdo em espanhol, por exemplo, tende a ser 25% a 30% mais longo que o equivalente em inglês.

As traduções mais longas afetam o layout das páginas da web e, em muitos casos, prejudicam a aparência de modelos cuidadosamente criados. Páginas, parágrafos e botões - criados originalmente para conteúdo em inglês mais curto - agora aparecem desarticulados ou "quebrados". É um comprometimento estético grave para qualquer marca.

Os CMS não têm a capacidade de fornecer "visualizações ao vivo" em tempo real de como as traduções aparecerão na página, e o processo para corrigir esses problemas é longo, estressante e caro. Os tradutores revisam e efetuam o processo de garantia de qualidade - novamente, para resolver esses problemas crônicos de contexto e layout.

Negligenciar detalhes

Infelizmente, armazenar conteúdo em vários idiomas no banco de dados de um CMS não produz automaticamente um website traduzido. O conteúdo traduzido reside em centenas de milhares de páginas da web e em diferentes mídias, como texto, imagens e PDFs.

O conteúdo traduzido reside em centenas de milhares de páginas da web e em diferentes mídias, como texto, imagens e PDFs.

O conteúdo traduzido também reside em muitos detalhes tecnológicos inesperados, incluindo o código de aplicativos do website, experiências multimídia em Flash e HTML 5 e outros. Esse é um grande problema para sites traduzidos. Os aplicativos da web que renderizam conteúdo dinamicamente precisam ser redesenvolvidos para dar suporte ao conteúdo multilíngue. Isso introduz complexidades significativas na lógica do aplicativo. E quando a arquitetura back-end é modificada, geralmente é necessária reintegração significativa.

Os CMS não conseguem detectar ou gerenciar a parte essencial sensível desses aplicativos e, portanto, não conseguem traduzi-los.

Problemas de escalabilidade

Escalabilidade também não é fácil nos CMS multilíngues. Grandes websites geralmente contêm centenas, e às vezes até milhares, de páginas-modelo. Essas páginas precisam ser criadas especificamente para seus respectivos mercados internacionais. E a seguir requerem tradução inicial e contínua.

Para quem não está familiarizado, esse é um processo complexo, caro e moroso para a maioria dos CMS. Administrar essas páginas traduzidas à medida que mudam pode apresentar sérios desafios à administração de projetos. Para administrar corretamente esse conteúdo em rápida mudança, geralmente as empresas contratam pessoal novo, sendo às vezes necessário o mesmo tanto de funcionários para administrar cada site internacional quanto o necessário para administrar o site em inglês da empresa. Isso se torna caro muito rapidamente.

Muitas empresas descobrem da pior maneira que essa abordagem não é escalável para mais que apenas poucos mercados internacionais. Os planos de expansão podem estagnar ou ser totalmente desviados do curso.

Sincronização e detecção de alterações insatisfatórias

Além disso, geralmente a administração de vários sites multilíngues grandes e complexos por meio de CMS é um processo manual ineficiente. Um efeito colateral comum é que a mensagem e o conteúdo desses sites globais frequentemente se tornam "fora de sincronia" entre si.

Para a maioria das grandes empresas, conteúdo ou código novo e alterações editoriais são regularmente publicados no website do mercado principal da empresa (por ex., novos produtos e promoções, políticas atualizadas etc.). Mas os CMS raramente têm tecnologias de detecção de alterações robustas para notificar automaticamente os gerentes e tradutores de sites internacionais sobre essas atualizações.

Isso geralmente resulta em atrasos de tradução longos e onerosos, deixando conteúdo sem tradução exibido em websites globais. Isso aliena os consumidores e aumenta muito as taxas de desistência.

Negligenciar conteúdo externo

Por último os CMS podem sofrer outra deficiência ao administrar traduções. Um CMS só pode fornecer traduções do conteúdo que administra, isto é, os ativos armazenados no banco de dados de conteúdo. Mas e quanto ao amplo conteúdo que reside em servidores ou plataformas além do CMS?

Um CMS só pode fornecer traduções do conteúdo que administra, isto é, os ativos armazenados no banco de dados de conteúdo.

De fato, a maioria dos websites atuais exibe conteúdo armazenado em bancos de dados externos ou usa conteúdo de terceiros. Considere recursos como conteúdo sindicalizado e feeds, aplicativos "Encontrar loja", plataformas de avaliação de clientes e outros. Eles criam experiências avançadas, que agradam o usuário.

No entanto, nesses casos as traduções não podem ser gerenciadas dentro de um CMS. O resultado: uma experiência caótica, que anula os esforços exaustivos da organização de criar um website de alto nível.

Em resumo

A maioria dos CMS simplesmente não é criada para gerenciar perfeitamente tradução e localização em grande escala. Nós acreditamos - e muitos de nossos clientes concordam - que a melhor abordagem possível de tradução de websites é encontrar a melhor ferramenta ou tecnologia para cada tarefa.

Às vezes isso significa resistir à tendência de "aprisionar" sua organização a uma única metodologia de gestão de conteúdo. Trabalhando com várias ferramentas e tecnologias, experiências on-line fantásticas podem ser criadas, com mais eficiência e impacto do que você provavelmente experimenta atualmente.

A solução da MotionPoint fornece esse ótimo desempenho e flexibilidade. Independentemente de qual CMS sua empresa possa estar usando agora (ou daqui a cinco anos), a plataforma adaptável ao futuro da MotionPoint pode abordar elegantemente suas necessidades de tradução de conteúdo e todos os desafios mencionados nesta publicação, entre outros. Nossa solução pode trabalhar independentemente de seu CMS ou integrar-se em seu conjunto de tecnologias existente - ou como uma combinação das duas abordagens. Podemos acomodar cada etapa de sua jornada para a globalização.

Fale conosco para obter mais informações. Será um prazer oferecer nossa perspectiva sobre como nossa solução funciona perfeitamente com seu CMS e como pode ser uma solução orientada ao ROI e livre de problemas para as suas necessidades.

Avatar de Chris Hutchins
Chris Hutchins

03 de fevereiro de 2017

LEITURA DE 5 MIN.